Cuiabá , MT - -

Globo deixa de transmitir campeonatos estaduais a partir de 2020

TV Globo prepara sada das transmisses dos principais campeonatos estaduais em 2020. Sem o dinheiro da emissora, colapso dos torneios quest縊 de tempo a rede investe cerca de R$ 197 milhes por ano em dez estaduais, incluindo Paulist縊, Carioca, Mineiro e Gacho. Principal financiadora dos clubes com os direitos de transmiss縊, a Globo pede mudan軋 radical no calend疵io do futebol brasileiro.


 “Quero adiantar pra vocês. A partir de 2020 a Globo não financiará, não comprará, nenhum campeonato estadual. O último é o próximo (2019). A Globo não quer mais campeonatos estaduais. É deficitário. Ela quer antecipar o calendário do Brasileirão para fevereiro e vender pay-per-view e publicidade do Brasileiro”, disse Marcio Celso Petraglia, presidente do Atlético-PR, desafeto da Globo e homem forte do presidente Jair Bolsonaro para mexer na estrutura do futebol brasileiro.

“O único estadual que ficará por um tempo, até 2022, é o Paulista. Há um contrato, não há cláusula de saída. O Carioca, Mineiro, Gaúcho, que são os quatro principais… (não serão transmitidos)”, disse Petraglia à rádio Transamérica.

Na entrevista, o dirigente do Atlético Paranaense adiantou que não é contra os campeonatos estaduais. Sua proposta é estender os torneios durante o ano todo.

“Não pode acabar, tem que mudar. O Estadual tem que ser feito o ano inteiro e buscar outras alternativas de financiamento. Não podemos ficar refém eternamente da TV, ao gosto do grande patrocinador do nosso futebol. Então temos que ter Estaduais o ano inteiro, porque não podemos acabar com os clubes menores. Temos 650 clubes profissionais no Brasil. Essa é a base do nosso futebol”, ressaltou Petraglia.

Fernando Manuel Pinto, diretor de direitos esportivos do Grupo Globo, deu a sua opinião sobre os Estaduais em recente entrevista ao jornal Lance!.

“Quando entramos nesse debate, temos que reconhecer também os pontos fortes do Estadual. Tem tradição, de fato geram jogos emblemáticos, mas da mesma maneira que tem pontos fortes, tem que ver os desafios que a manutenção acaba impondo. Se me perguntar se sou a favor do fim dos estaduais, digo que não. Não a curto ou médio prazo por questões comerciais. Defendo um reposicionamento”, disse o executivo.

E o executivo deixou clara a preferência da Globo:

“Temos que proteger as competições nacionais, pois só elas colocam os clubes brasileiros o ano inteiro prestando atenção um no outro. Em que momento um torcedor do Rio ou de Minas vai prestar atenção em um clube do Ceará, de Santa Catarina ou até de São Paulo? Só em uma competição nacional. Durante um terço do ano, nós condenamos o torcedor a ficar prestando atenção só no seu estado. Isso é um desperdício. Só com o Brasileirão, onde todos jogam contra todos, onde prestam atenção em todos os jogos, é que você tem a atenção plena do público brasileiro com o futebol brasileiro“.

Cotas e contratos da Globo nos Estaduais:

Paulistão
Contrato: Globo SP (2016-2021), inclui SporTV e pay-per-view
Alcance da TV aberta: 44,2 milhões de telespectadores
16 clubes (de 12 a 18 jogos para qualquer participante)

Cota: R$ 109,3 milhões
Premiação: R$ 11,79 milhões
Total: R$ 121,09 milhões

Cota 1 – R$ 17 milhões (Corinthians, Palmeiras, Santos e São Paulo)
Cota 2 – R$ 5 milhões (Ponte Preta)
Cota 3 (11 times) – R$ 3,3 milhões (Botafogo, Bragantino, Ferroviária, Ituano, Linense, Mirassol, Novorizontino, Red Bull, Santo André, São Bento e São Caetano)

Premiações: campeão estadual (5 milhões), vice (1,65 milhão), 3º (1,1 milhão), 4º (880 mil), 5º (485 mil), 6º (430 mil), 7º (375 mil), 8º (325 mil), 9º (270 mil), 10º (215 mil), 11º (190 mil), 12º (165 mil), 13º (135 mil), 14º (110 mil), campeão do interior (360 mil), vice do interior (100 mil)

Carioca
Contrato: Globo Rio (2017-2024), inclui SporTV e pay-per-view
Alcance da TV aberta: 56,8 milhões de telespectadores
16 clubes (de 11 a 18 jogos para os grandes)

Cota: R$ 83,6 milhões
Premiação: R$ 7,9 milhões
Total: R$ 91,5 milhões

Cota 1 – R$ 15 milhões (Botafogo, Flamengo, Fluminense e Vasco)
Cota 2 – R$ 4 milhões (Boavista, Madureira, Nova Iguaçu e Volta Redonda)
Cota 3 – R$ 2 milhões (Bangu e Portuguesa)
Cota 4 – R$ 800 mil (Macaé e Resende)
Cota 5 – R$ 500 mil (América, Bonsucesso, Cabofriense e Goytacaz)

Premiações: Campeão estadual (3,5 milhões); vice estadual (1,5 milhão); Taça Guanabara, 1º (1 milhão), 2º, (150 mil), 3º (150 mil) e 4º (150 mil); Taça Rio, 1º (1 milhão), 2º, (150 mil), 3º (150 mil) e 4º (150 mil)

Gauchão
Contrato: RBS TV (2018), inclui pay-per-view
Alcance da TV aberta: 11,2 milhões de telespectadores
12 clubes (de 11 a 17 jogos para qualquer participante)

Cota: R$ 36 milhões
Premiação: R$ 1 milhão
Total: R$ 37 milhões

Cota 1 – R$ 12,5 milhões (Grêmio e Internacional)
Cota 2 – R$ 1,5 milhão (Brasil de Pelotas e Juventude)
Cota 3 – R$ 1 milhão (Avenida, Caxias, Cruzeiro, Novo Hamburgo, São Luiz, São José, São Paulo e Veranópolis)

Premiações: os oito classificados às quartas de final (R$ 100 mil); campeão do interior (R$ 200 mil)

Mineiro
Contrato: Globo Minas (2017-2021), inclui pay-per-view
Alcance da TV aberta: 20,7 milhões de telespectadores
12 clubes (de 11 a 16 jogos para qualquer participante)

Cota: R$ 35,15 milhões
Premiação: sem valor
Total: R$ 35,15 milhões

Cota 1 – R$ 12,3 milhões (Atlético-MG e Cruzeiro)
Cota 2 – R$ 2,9 milhões (América)
Cota 3 – R$ 850 mil (Boa Esporte, Caldense, Democrata, Patrocinense, Tombense, Tupi, Uberlândia, URT e Villa Nova)

Catarinense
Contrato: NSC TV (2018-2021)
Alcance da TV aberta: SC (6,8 milhões de telespectadores)
10 clubes (de 18 a 19 jogos para qualquer participante)

Cota: R$ 5 milhões
Premiação: sem valor
Total: R$ 5 milhões

Cota 1 – R$ 650 mil (Avaí, Chape, Criciúma, Figueirense e Joinville)
Cota 2 – R$ 350 mil (Brusque, Concórdia, Hercílio Luz, Inter de Lages e Tubarão)

Paranaense
Contrato: RPC (2018-2019)
Alcance da TV aberta: 10,8 milhões de telespectadores
12 clubes (de 11 a 17 jogos para qualquer participante)

Cota: R$ 4,7 milhões
Premiação: sem valor
Total: R$ 4,7 milhões

Cota 1 – R$ 600 mil (Coritiba e Paraná)
Cota 2 – R$ 500 mil (Londrina)
Cota 3 – R$ 375 mil (Cascavel, Cianorte, Foz do Iguaçu, Maringá, Prudentópolis, Rio Branco, Toledo e União)
Sem cota – em aberto (Atlético-PR )

Pernambucano
Contrato: Globo Nordeste (2015-2018), inclui pay-per-view
Alcance da TV aberta: PE (9,2 milhões de telespectadores)
11 clubes (de 10 a 14 jogos para qualquer participante)

Cota: R$ 3,730 milhões
Premiação: sem valor
Total: R$ 3,73 milhões

Cota 1 – R$ 950 mil (Náutico, Santa Cruz e Sport)
Cota 2 – R$ 110 mil (Afogados, América, Belo Jardim, Central, Flamengo de Arcoverde, Pesqueira, Salgueiro e Vitória)

Paraense
Contrato: TV Cultura (2018)
Alcance da TV aberta: 5,9 milhões de telespectadores
10 clubes (de 10 a 14 jogos para qualquer participante)

Cota: R$ 2,396 milhões
Premiação: R$ 560 mil
Total: R$ 2,956 milhões

Cota 1 – R$ 786 mil (Paysandu e Remo)
Cota 2 – R$ 103 mil (Águia, Bragantino, Cametá, Castanhal, Independente, Paragominas, Parauapebas e São Raimundo)

Premiações: campeão estadual (224 mil), vice estadual (168 mil), 3º (112 mil) e 4º (56 mil)

Baiano
Contrato: Rede Bahia (2016-2020), inclui pay-per-view
Alcance da TV aberta: 14,5 milhões de telespectadores
10 clubes (de 9 a 13 jogos para qualquer participante)

Cota: R$ 2,604 milhões
Premiação: sem valor
Total: R$ 2,604 milhões

Cota 1 – R$ 850 mil (Bahia e Vitória)
Cota 2 – R$ 113 mil (Atlântico, Bahia de Feira, Fluminense de Feira, Jacobina, Jacuipense, Jequié, Juazeirense e Vitória da Conquista)

Cearense
Contrato: Verdes Mares (2016-2019) e Esporte Interativo (2017-2018)
Alcance da TV aberta: CE (8,8 milhões de telespectadores)
10 clubes (de 9 a 15 jogos para qualquer participante)

Cota: R$ 2,56 milhões/ano
Premiação: sem valor
Total: R$ 2,56 milhões

Cota 1 – R$ 800 mil (Ceará e Fortaleza)
Cota 2 – R$ 120 mil (Ferroviário, Floresta, Guarani de Juazeiro, Horizonte, Iguatu, Maranguape, Tiradentes e Uniclinic)

(fonte: esportes/cassio zirpoli)

Data: 2018-11-08 00:00:00
P疊inas Acessadas no ano de 2017: 185.719